ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

Onde comer em Alba – arredores – parte 2, por Beto Madalosso

29 de agosto de 2017

(5)
Tour gastronômico por Barolo, La Morra, Verduno e Roddi

Uma das primeiras coisas que fiz quando cheguei em Alba foi comprar uma bicicleta. Novo na área, mais perdido que alienígena em Minas Gerais, pedi informações para a atendente de um café, que me achou completamente esquisito.

Where can I buy a bicycle around here?” Perguntei em inglês e ela não entendeu. “Bici, bici!”, falei, fazendo gestos de estar pedalando com as mãos. Ela sacou, desenhou um pequeno mapa num pedaço de guardanapo e escreveu: Cicli Gagliardini. Eu estava perto. O Cicli Gagliardini é uma loja de bicicletas com mais de 100 anos de tradição e que preserva com orgulho o modelo de gestão do século passado. Entrei e me perdi num labirinto escuro e sufocante formado por bikes e milhares de apetrechos empilhados. Para apaixonados por bicicletas aquilo parece o paraíso; para apaixonados por logística aquilo parece o inferno.

Passou um tempo e não vi ninguém. Assobiei. Do fundo da escuridão apareceu um cara com as mãos cheias de graxa. “Buon Giorno!”, falou Oscar ao me receber. Segundo ele, dentro daquele espaço de 400 metros quadrados existem mais de 600 bicicletas. Falei que queria uma Bianchi, e que poderia ser usada, porque eu não queria gastar muito. “Esta tem seis anos de uso, está boa e tem o tamanho ideal para você”, ele disse, me apresentando uma magrela verde piscina, a cor registrada da marca. “Te faço por €600 e ainda te dou um par de sapatilhas, bomba e capacete, mas tem que pagar em dinheiro”. Negócio fechado.

Onde comer em Alba – arredores – parte 2: Barolo, La Morra, Verduno e Roddi

Meu primeiro rolê de bike foi de 40 quilômetros passando pelas cidades de Barolo, La Morra, Verduno (onde parei para almoçar) e Roddi. Eu não sabia absolutamente nada sobre a região, mas com o tempo, pegando dicas daqui e dali, descobri algumas preciosidades desse caminho.

Começo no centro de Alba e sigo por uns 8 quilômetros em terreno plano até começar a subida para a cidade de Barolo. Logo que começo a subir começam também as plantações de uvas, que estão quase prontas para a colheita. É pico do verão europeu e os cachos pretos contrastam com o verde das folhas. Ao subir, os desenhos geométricos formados pelos vinhedos ficam cada vez mais evidentes.

Corredores verdes perfeitamente alinhados, lado a lado, seguem até encontrar novas fileiras com um novo ângulo, formando os mesmos corredores em sentido oposto, e essas, por sua vez, são interrompidas por outras, com um novo ângulo, e assim, sucessivamente, esse imenso tabuleiro de xadrez contorna as montanhas. Vejo cachos de uvas espalhados pelo chão. São o descarte. Sim, os produtores sacrificam até 50% do plantio para concentrar o sabor na metade que fica. Caso não descartem, a uva que fica não chegará no ponto ideal de açúcar, e o resultado será um vinho de baixa qualidade.

Diversas lojinhas que oferecem degustação de vinhos também cruzam o meu caminho. Ando mais um pouco e chego no centro histórico de Barolo. Vários restaurantes, cafés e pastifícios. Mas o que realmente tem de sobra são as enotecas. São muitas. Cada uma com sua particularidade, espalhadas ao redor do castelo onde fica o Museu do Vinho, aberto à visitação.

De Barolo sigo pra La Morra, cidade mais alta. Tenho que fazer força. Mas é a paisagem que tira o fôlego. Daqui eu vejo Barolo de cima. Construções alaranjadas circundam o castelo medieval, e quanto mais eu subo mais a cidade encolhe, mais os vinhedos se ampliam, e o verde quadriculado some no horizonte. São as uvas de Barolo ganhando o mundo.

Chego no centro de La Morra. Encontro um mirante com alguns binóculos e um mapa nomeando as pequenas as cidades perdidas no meio das uvas. É possível subir na torre da igreja. Com a cabeça encostada no sino, me sinto soberano. Paro e como uma salada com atum no jardim “secreto” do hotel e restaurante UVE. Aos fins de tarde aquilo ferve de gente para um Aperitivo Italiano.

UVE
Via Umberto I, 13, 12064 La Morra
+39 0173 50740

Em La Morra também estão dois restaurantes incríveis, a Osteria Del Vignaiolo e o Bovio. Trocando umas mensagens com o Junior Durski, ele falou: “Beto, o melhor restaurante que comi na vida foi o Bovio, você conhece?”. Opa, conheço sim! Esses dois restaurantes oferecem vista panorâmica incrível e gastronomia equivalente. De La Morra segui pra Verduno.

Osteria Del Vignaiolo
Frazione Santa Maria, 12, 12064, La Morra
+39 0173 50335
Sexta a terça-feira, 12h30 às 13h45; 19h45 às 21h30

Bovio
Via Alba, 17, 12064 La Morra
+39 0173 590303
Sexta a terça-feira, 12h30 às 14h; 19h30 às 21h15

Em Verduno fica o restaurante que vai estar pra sempre em minha memória, o primeiro que me acolheu como um membro da família: Il Falstaff. Foi ali que fiz meu primeiro amigo, Maurizio, ciclista, garçom e sommelier (sabe tudo de vinho). Pedalamos juntos diversas vezes e, ao passar pelas regiões produtoras ele ia explicando o tipo da uva, a qualidade do solo, a posição dos vinhedos em relação ao sol e outros tantos motivos que fazem os vinhos daqui terem a fama que têm. Também foi ali, no Falstaff, que “trabalhei” pela primeira vez na Itália. Franco, chef e dono dessa pequena trattoria, gentilmente aceitou meu pedido de passar um dia em sua cozinha para ver como funciona. Dito e feito. Virei não só cliente, como faço visitas esporádicas ao Falstaff. Entro, dou um oi, tomo um café ou uma taça de vinho, e sigo viagem. O atendimento do Maurizio é sensacional, um dos melhores garçons que já conheci. A comida é muito boa. Mas o que realmente encanta é a alegria de servir dessa dupla que ama o que faz.

Il Falstaff
Via Schiavino Commendatore, 1, 12060, Verduno
+39 0172 470244
Terça-feira a sábado, 20h à meia-noite
Domingo, 12h30 às 15h

De Verduno segui pra Roddi, ultima parada antes de chegar em Alba. Em Roddi fica a Terra Cooking School, uma escola especializada em trufas, onde você aprende na teoria e na prática como usar a iguaria  Os valores são a partir de €200, dependendo da qualidade da trufa usada em aula. A estrutura interna é fantástica, com fogões sofisticados dispostos em linha para que os alunos possam acompanhar o professor enquanto esse prepara as receitas. Assim ninguém perde nenhuma dica.

Terra Cooking School
Castello di Roddi, Via Carlo Alberto, 15, 12060, Roddi
+39 011 3188224

Você também pode assistir ao diário de viagem do Beto! Aperte o play e divirta-se:

 

Leia mais:

Onde comer em Alba – Arredores – parte 1, por Beto Madalosso
Onde comer em Alba, por Beto Madalosso

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(5)
  • Excelente
    4
  • Muito bom
    1
  • Normal
    0
  • Ruim
    0
  • Horrível
    0
DÊ SUA NOTA: