ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

5 lugares para comer sagu em Curitiba

6 de julho de 2016

(7)
Para os apaixonados, vão aqui algumas dicas de onde encontrar essas incríveis bolinhas roxas na cidade

Sagu é uma daquelas sobremesas que quem gosta, ama. Quem não gosta, odeia. Tipo canjica e arroz doce, sabe? Mas como aqui na redação da Tutano tem uma penca de gente que adora, preparamos esse post com direito a história, receita e dicas de onde comer sagu em Curitiba. ALERTA DE SPOILER: o sagu não veio da Itália.

Endereços para comer as incríveis bolinhas roxas:

Spring

Bufê delícia em dois endereços, no Batel e no Juvevê. Abre de segunda a sábado para o almoço e serve um monte de saladas e pratos gostosos, que mudam sempre. Além disso, o ambiente é bem aconchegante. Mas há quem vá lá só por causa do sagu, pode acreditar. A sobremesa é servida quase todos os dias, mas você pode ter azar e não encontrá-la. Vai por nós, volte no dia seguinte. Ou no próximo, até experimentar!

Shopping Design Center – Av. Batel, 1750, Batel
(41) 3024-2032

Rua Euzébio da Mota, 647, Juvevê (abre também no domingo)
(41) 3359-4603

Forneria Copacabana Iguaçu

Recém lançou o bufê e já virou hit de sucesso no almoço da cidade. Saladas deliciosas, pães caseiros, frios, pratos muito saborosos e uma variedade sem fim de delícias para todo mundo se esbaldar. E mais, naquele ambiente lindo com deck charmoso e tudo mais. As sobremesas são um espetáculo a parte. Ficam expostas com tanto capricho que dá tanta vontade de fotografar quanto de comer. E quando está lá, o sagu, claro, é o centro das atenções.

Av. Iguaçu, 2820, Água Verde
(41) 3243-5787

Galeteria Caxias

Rodízio de italiano no melhor estilo Serra Gaúcha. Tudo começa com um capeletti in brodo e depois vem aquela sequência inebriante de coisas boas: galeto ao primo canto, tortei de abóbora, costelinha de porco, polenta recheada, espaguete ao molho de miúdos, radicci com bacon e por aí vai… até chegar na sobremesa. Adivinha? Sagu! Abre de terça a sexta para almoço e jantar. Domingos só no almoço.

Av. Comendador Franco, 3077, Jardim das Américas
(41) 3266-4443

La Casa di Frango

Todo curitibano que se preze já foi comer frango com as mãos em uma das filiais da La Casa de Frango (a da Av. Batel fechou recentemente). Uma curiosidade: foi o João Domingues Kassim, dono do negócio, que trouxe para Curitiba o frango vendido em pedaços no açougue (antes dele só se vendia inteiro) e o frango assado inteiro (TV de cachorro, sabe?). O cara abriu a primeira casa em 1979 e agora são muitas, inclusive em alguns shoppings (as lojas express). Mas a mais famosa fica na Av. Kennedy. Além de frango (claro!), tem massas, risotos, polenta e… sagu! Ah, e abre todos os dias, almoço e jantar.

Av. Presidente Kennedy, 1316, Rebouças
(41) 3022-1819

Anna Terra Café & Confeitaria

Unanimidade entre o pessoal do Bigorrilho, essa é daquelas padarias que tem mais do que clientes, tem seguidores. Muita gente vai até lá por causa da torta alemã. Mas não se engane, o sagu também merece atenção. Cremoso e azedinho na dose certa.

Al. Júlia da Costa, 1848, Bigorrilho
(41)  3077-0202

Bom Strudell

As massas são tão incríveis que a própria Mulher Massa é de lá. Há mais de 30 anos na ativa, o Bom Strudell ainda faz muito sucesso na vizinhança também com o bufê de sopas servido à noite e, claro, a combinação sagu com creme, mais perfeita que goiabada com queijo.

Alameda Júlia da Costa, 1822, Bigorrilho
(41) 3335-8288

Uma breve história do sagu

Sabia que o sagu não nasceu na Itália? Ele é filho de imigrantes, como muita gente por aqui. Tudo começou lá inicio do século XX com os irmãos Lorenz, descendentes de alemães, fabricantes de fécula de mandioca, sediados em Indaial, Santa Catarina, que descobriram a fórmula de fazer minusculas bolinhas de mandioca. Eis que na década de 1950, a empresa Cassava, de Rio do Sul-SC passou a vender o produto para os italianos da serra gaúcha. Embora a sobremesa nunca tenha pisado na na Itália, os imigrantes italianos se identificaram com o sabor docinho vinho com especiarias. E, para deixar a coisa ainda mais internacional, meteram umas colheradas de creme inglês. Hoje não há família gaúcha que não tenha sua receitinha secreta de sagu. Quer saber a nossa?

Clique e confira a receita de sagu de tapioca que o chef Celso Freire preparou no restaurante Dalva e Dito.

Sagu de tapioca com vinho tinto e creme de canela_divulgação_Celso Freire

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(7)
  • Excelente
    7
  • Muito bom
    0
  • Normal
    0
  • Ruim
    0
  • Horrível
    0
DÊ SUA NOTA: