ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

A Tutano saiu do papel e virou portal

10 de junho de 2016

(61)
Depois de 20 edições impressas, chegou a hora de conquistar os meios digitais. Seja bem-vindo ao portal Tutano Gastronomia

A Tutano nasceu assim, sem eu perceber. Acredito que a maioria dos negócios, independente da atividade, começam assim, intuitivamente. Surge pra dar vazão àquilo que a gente gosta, que nos dá prazer, sem plano de negócios nem grandes ambições comerciais.

Eu já tinha ensaiado pseudo revistas. Um dos casos foi o jornalzinho “Madalosso News”, que criei pra fazer relacionamento com clientes do Madalosso nos anos que trabalhei lá. O outro foi o Jornal da Associação Comercial de Santa Felicidade, no qual eu comunicava nossas realizações no tempo em que presidi a entidade. O tempo passou. Minha gestão na associação e no restaurante da família ficaram para trás e os jornais foram extintos.

Sou um leitor impaciente. Sempre comprei, mas também sempre senti tédio de revistas de gastronomia. Tudo tão igual, tudo tão superficial. Nada capaz de prender minha atenção por mais de 10 ou 15 linhas. Em 2011 eu viajava de moto pelos Estados Unidos e, certo dia, me encontrei perdido em qualquer lugar do Brooklyn, em Nova York. Exausto e faminto, entrei numa lanchonete. Sobre o balcão algumas revistas com o nome de Lucky Peach. Na capa, um braço tatuado segurava uma galinha morta. Dentro, entrevistas profundas e polêmicas com chefs consagrados e uma direção de arte psicodélica. Formalidade zero. Comprei, sentei e li. Li inteira! De volta ao Brasil e com a revista debaixo do braço, bati na porta da PULP. A Pati, a Fer e o Vicente, sócios da editora, enlouqueceram. “Nossa! A gente sempre quis fazer um projeto assim!”

Ali nasceu a Tutano. A ideia era falar do meu dia a dia na cozinha, na gestão de um restaurante, e da minha relação com a gastronomia curitibana de modo geral, dando espaço, é claro, pra chefs convidados e para todos os tipos de culinária. Eu queria mostrar pro cliente que um dono de restaurante não trabalha só no almoço ou no jantar, mas que respira a profissão noite e dia, todos os dias. Até porque, pra gente, sair pra jantar fora não é só prazer, é pesquisa.

Lançamos a primeira Tutano em 2012 com 22 páginas. Tivemos um retorno surpreendente. “A revista é irreverente!” “A revista é divertida!” “A revista é polêmica!” Percebemos que perceberam que éramos diferente. Aumentamos gradativamente o número de páginas e a tiragem. Logo, a revista começou a ser vendida nas bancas. Assim como um restaurante precisa de mais espaço quando faz fila na porta, a Tutano precisava imprimir mais e mais pra atender aos pedidos. Veio a primeira crise: pra produzir mais era preciso ter anunciantes e, vender anúncio, nunca foi meu real interesse. De qualquer forma, tentamos!

“A revista é irreverente!” “A revista é divertida!” “A revista é polêmica!” Percebemos que perceberam que éramos diferente.

Contratamos comerciais, montamos mídiakit, e fomos pra rua. Então vieram outras duas crises. Primeiro a crise econômica, onde ninguém tinha grana pra anunciar e batiam a porta (e o telefone) na nossa cara. Junto à crise econômica veio a crise de identidade dos meios de comunicação. Muitos profetizavam: “jornais e revistas impressas deixarão de existir”, e, em 2015, testemunhei muitos impressos evaporando ou migrando pro digital pra conseguir sobreviver. Discutimos muito o assunto e chegamos à mais sensata conclusão: acabar com a Tutano impressa e transformá-la em digital.

Surtei! Eu tinha um apego doentio com a revista impressa. Tenho certeza absoluta que eu era a pessoa que mais aguardava a data de entrega de cada edição. Além da “crise da mídia impressa”, duas coisas fortaleceram a tomada de decisão: a primeira porque teríamos condições de produzir muito mais matérias com muito mais frequência e eficiência, mantendo nossos leitores sempre atualizados; a segunda foi custo mesmo. Ao virar digital deixamos de gastar com impressão e distribuição e, por eu ser o único investidor desse projeto, manter o papel se tornaria inviável financeiramente. Ah, e claro: estar na web possibilita uma cobertura infinita de leitores, diferente do modelo antigo.

Enfim estamos on-line! A Tutano dá mais um passo em sua história, ganha maturidade e aumenta sua voz! A tutano literalmente saiu do papel, abrindo a possibilidade para nossos vídeos (vocês vão adorar isso, tá do caralho!) e para uma relação muito mais estreita com nossos leitores.

Como eu disse, essa revista nasceu por amor, intuitivamente, assim como nasce um restaurante na garagem de casa, e agora é hora de eu estar de mesa em mesa, ouvindo nossos clientes, tentando servir o que você quer experimentar. Então leia! Devore! Se lambuze! E não deixe de, no final, falar pra mim aquilo que você mais gostou e quer repetir, ou reclamar daquela matéria que a gente errou no sal.

Aqui a casa é sua. A gente faz o que o patrão mandar!

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(61)
  • Excelente
    35
  • Muito bom
    12
  • Normal
    3
  • Ruim
    2
  • Horrível
    9
DÊ SUA NOTA:
COMENTÁRIOS
  • Sucesso Beto. Feliz por ter as minhas revistas guardadas.

  • Ta linda! Parabéns pelo projeto! 😃

  • Ficou show Beto, está espetacular...sucesso!!!

  • Parabéns, Beto! Muito orgulho de fazer parte desse time!!!!! Sucesso!!

  • Evviva! Eu também sempre esperei a revista impressa...muito. E adorava receber e ler inteirinha. Vou continuar lendo e esperando ansiosamente as novas edições. Sucesso, meu caro! O projeto tá lindo e tem a sua cara. Um abraço!

  • Muito feliz por você! Por saber que sonhos nunca morrem e são sempre muito inspiradores. Parabéns a toda equipe Tutano!

  • Top! Lindo projeto. Parabéns Beto.