Baraquias, por André Bezerra

0
273
Foto: André Bezerra

O  primeiro sentido que aguça quando experimento uma comida que mexe comigo é a audição. Eu ouço música no momento quando provo uma receita extraordinária. É tão intenso que, garanto, minha audição é ativada antes até do paladar. Outro dia, ouvi música boa durante um jantar. Na verdade, foi um banquete, servido no restaurante Baraquias. Aos meus ouvidos, imediatamente, soou aquela canção: It’s a Kind Of Magic, do Queen. Eis uma singela, mas, a chef Rita de Cássia Delaé Beguetto que me permita dizer, é uma boa descrição para a cozinha dela: uma espécie de mágica.

Pelo nome, a Rita ela é brasileira, francesa e italiana. A culinária é contemporânea, difícil precisar sua raiz, provei pratos árabes, mas a chef não consegue disfarçar suas referências internacionais. Talvez seja culpa da história da Rita, da curiosidade dela, da compulsão pelos estudos, pelo conhecimento, da abnegada dedicação. Talvez tenha tudo a ver com o trato que ela tem com o time de cozinheiros, formado por brasileiros e sírios. Não, ela não tem medo de nada. Existe alquimia nas receitas que empreende. Há muita originalidade, há risco. Planejado, mas há risco.

Quanto aos ingredientes, quem sou eu para dedicar tempo a relacioná-los, a discorrer sobre eles. A apresentação dos pratos é colorida? É harmônica? Prefiro não arriscar rotulá-la, sob pena de diminuir o impacto que causam aos olhos. Vamos deixar que as imagens falem por si, elas valem mais do que mil palavras, assim como uma bela refeição vale muito mais do que mil anos bem vividos. Uma refeição inesquecível não termina nunca, a gente jamais deixará de recordá-la.

Acho mais justo deixar as fotos contarem. Eu estaria propenso a regras gramaticais, absorto no meu estilo e acorrentado a limitações próprias da linguagem escrita. Alguém já disse que a língua falada “pede passaporte para a forma escrita”. Não seria certo tentar reunir em palavras todas as sensações invocadas pelo banquete do qual participei. Não farei isso.

 Saí do restaurante encantado, divinamente enfeitiçado.

Tudo o que tenho a dizer é Muito Obrigado Rita, sou seu novo fã. Gratidão a você, Elis Regina, pela acolhida, pela Casa belíssima. E que privilégio dividir essa mesa com a Marian Guimarães, poder ouvir histórias incríveis. No mais, tomara que as imagens sejam capazes de mostrar um pouco dessa mágica. Fui uma testemunha atenta, um consorte nos prazeres da degustação. Saí do restaurante encantado, divinamente enfeitiçado. E uma dica cultural: toda sexta-feira tem dança do ventre no jantar do Baraquias Juvevê.

Baraquias Juvevê

Rua Manoel Eufrásio, 637, Juvevê
(41) 3387-9056
Terça a domingo, 18h às 23h

rodape_andre

André Bezerra é amante da gastronomia boêmia e “garimpeiro” de experiências que surpreendem o paladar. Fundador da Monstro Animal – produtora de eventos – e escritor por hobby. Siga no Instagram: @andrbezerra

Leia mais:

Quatro bares novos para conhecer (já) com os amigos
Onde comer na Rua XV de Novembro