ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

Carne de onça é patrimônio cultural de Curitiba

6 de setembro de 2016

(2)
Votação unânime na Câmara de Vereadores, nesta segunda-feira (5), promoveu a comida típica dos botecos a patrimônio da cidade

Em restaurantes, bares ou botecos: ela é encontrada em muitos cantos de Curitiba e já tem pelo menos 50 anos. Essa é a carne de onça que, para a surpresa de muitos turistas é, na verdade, de boi (ufa!). Jorge Tonatto, sócio do Bar do Alemão, contou que é comum perguntarem sobre a carne usada no preparo: “Muitas pessoas nos questionam se usamos carne de onça realmente. Outras ficam indignadas quando ouvem falar do prato que usaria o felino, mas sempre esclarecemos e convidamos todos a provar”.

O nome gera debate, mas quem já experimentou sabe que, em relação ao sabor, não há polêmica, não. Inspirado em delícias da Europa e do Oriente Médio – como o alemão hackepeter, o francês steak tartare, o quibe e a kafta crus do Líbano e da Síria -, o prato caiu nas graças do curitibano, e o sucesso foi tanto que agora tem gente querendo transformá-lo em patrimônio cultural. Sério!

Trata-se do projeto de lei, aprovado por unanimidade na Câmara Municipal de Curitiba nesta segunda-feira (5), que reconhece a receita como “patrimônio cultural de natureza imaterial da capital da cidade de Curitiba”. De acordo com a lei municipal 14.794/2016, o patrimônio cultural é constituído pelo “conjunto de bens de natureza material e imaterial, públicos ou privados, que façam referência à identidade, à ação e à memória dos diferentes grupos formadores sociedade”.

Carne de onça

A justificativa do vereador Helio Wirbiski, autor do projeto, é que a iguaria é o único prato tipicamente curitibano e que não é servida em qualquer outro lugar do Brasil da forma como é encontrada por aqui: carne moída crua, sem tempero, sem nervos e gordura, colocada sobre uma fatia de broa preta, coberta com ovos e com duas camadas de pimenta do reino, sal, azeite de oliva extra virgem e cebolas bem picadinhas. “É uma forma de reconhecer as nossas tradições, intensificar o turismo e incentivar a gastronomia local, que gera renda e empregos na cidade”, comemorou parlamentar. “Mais de 100 bares e restaurantes da capital têm a carne de onça em seus cardápios”. Ficou com água na boca? Não passe vontade!

Dá uma olhadinha na receita de carne de onça que separamos para você!

Mas e a onça?

Mesmo que os brasileiros não tenham o costume de consumir carne de felinos, usar a onça-pintada como ingrediente seria no mínimo difícil, por um motivo simples e trágico: no Brasil, a onça-pintada (Panthera onca) está ameaçada de extinção. De acordo com o biólogo do Instituto de Pesquisas Cananéia (IPeC) e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, Roberto Fusco Costa, a onça-pintada tem uma função importantíssima para o meio ambiente: ela atua como um indicador de qualidade ambiental. “A onça-pintada é um predador de topo na cadeia alimentar e por isso precisa de grandes áreas preservadas que mantenham suas presas naturais e tenham suprimento de água abundante para sobreviver”.

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(2)
  • Excelente
    2
  • Muito bom
    0
  • Normal
    0
  • Ruim
    0
  • Horrível
    0
DÊ SUA NOTA: