ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

Carta de despedida

28 de abril de 2017

(232)
Beto Madalosso se despede (de uma fase) da Forneria Copacabana Itupava

Seis anos atrás, depois de cadastrar o último produto no sistema, acendi todas as luzes da Forneria Copacabana e sentei num dos bancos da área externa para contemplar o nosso projeto. Era noite de lua cheia, início de outono. O restaurante estava impecável, novo em folha.

Em sete dias, seria a nossa grande inauguração. Abri uma cerveja e me pus a sonhar. Imaginei a casa lotada, a correria dos garçons, os gritos dos cozinheiros montando os pratos na cozinha. Imaginei eu, de mesa em mesa, tirando pedidos de clientes e amigos que iam chegando. Imaginei o prato mais vendido, o coquetel mais vendido, o tamanho da fila de espera. Claro que eu tinha uma pulga atrás da orelha. Será que vai dar certo? E se não aparecer ninguém? Passaremos do primeiro ano? Deu certo. O sonho virou realidade. Logo nas primeiras semanas, a Forneria era o restaurante mais badalado da cidade. Não dava tempo de respirar.

Será que vai dar certo? E se não aparecer ninguém? Passaremos do primeiro ano? Deu certo. O sonho virou realidade.

Todos os dias, o dia inteiro, correndo atrás da perfeição, corrigindo os erros da noite anterior. Troquei o cardápio como troquei de roupa até acertar a equação agilidade x qualidade. E assim a gente seguia. Aos sábados, depois de atender o último cliente, comemorávamos mais uma semana vencida na pracinha da esquina com rodadas de cerveja, contando causos de clientes e rindo dos nossos próprios erros. Uma família se formava. Amizade, cumplicidade, solidariedade. Festejamos o primeiro ano de vida.

Dois, três… seis!

Seis anos de Forneria Copacabana Itupava. Não há nada que desaprove o nosso sucesso. Hoje, 29 de abril de 2.017, um ciclo se fecha. A partir de agora, seremos uma casa de eventos. Foi um choque anunciar a decisão aos funcionários. Alguns, especialmente os mais antigos, não seguraram as lágrimas: “Eu amo tanto esse lugar, parece que estão cortando um pedaço de mim”, disse uma delas. “Eu também amo”, falei. “Reformei essa casa tijolo por tijolo, pendurei cada quadro na parede, pensei em todos os detalhes, do tipo de música ao layout do cardápio”, concluí. Afinal, foi ali, no meu primeiro restaurante, que vivi alguns dos momentos mais marcantes da minha vida. É uma decisão difícil, claro. Mas está longe de ser triste. Ao contrário: um universo de oportunidades se abre.

Foi um choque anunciar a decisão aos funcionários. Alguns, especialmente os mais antigos, não seguraram as lágrimas: “Eu amo tanto esse lugar, parece que estão cortando um pedaço de mim”, disse uma delas. “Eu também amo”, falei.

Queremos atender às centenas – talvez milhares – de pedidos para festas de formaturas, 15 anos, casamentos, aniversários e reuniões corporativas. Queremos, além de receber para almoço e jantar, ser o palco das principais celebrações da vida dos nossos clientes. Esse é o sonho. E vai dar certo!

Leia mais:

Essa é a Thamy Poli
Um filho de dono de restaurante

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(232)
  • Excelente
    124
  • Muito bom
    20
  • Normal
    11
  • Ruim
    17
  • Horrível
    60
DÊ SUA NOTA:
COMENTÁRIOS
  • Sou seu fã piá estamos juntos
    Boa sorte

  • Empreender nao eh facil! Ter coragem e dispreendimento para mudar as "velas" mesmo navegando em ventos favoraveis, eh para visionarios! Parabens!

  • Beto, sou sua fã! Acompanho seus textos a muito tempo e compartilho de suas opiniões. Desejo a você muito sucesso!!! Que seu novo sonho lhe traga realizações! Eu sei muito bem como é trabalhar com eventos, já coordenei uma grande equipe no Hotel Rayon, em eventos Sociais. Acredito que você terá muito sucesso, parabéns pela coragem e iniciativa!! Abraços!!!!