ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

Cantinho do Eisbein, por André Bezerra

29 de junho de 2018

(38)
A história de uma família que trabalha unida

Egon Taruhn é neto de alemães, nascido em Lontras, Santa Catarina, no final dos anos 40. O pai dele, senhor Arno, tinha hotel e cinema na cidade catarinense. Em 1953, com a construção da SC 470 do outro lado do rio, o fluxo de automóveis que passava por dentro de Lontras diminuiu bastante e, com isso, o comércio na cidadezinha também encolheu. A família, então, seguiu de mudança para Curitiba, em 1959. Com emprego na Servopa desde o início, seu Arno acabou abrindo uma pensão na Rua XV.

Bar Porsche

Empreendedor, também alugou um imóvel na frente da Servopa e inaugurou o Bar Porsche, tendo o cunhado Walmor – que também trabalhava na empresa – como sócio. Durante o dia o bar era tocado pelas esposas dos fundadores e pelos jovens filhos do seu Arno, os irmãos Egon e Siegrid. Findo o expediente na firma, seu Arno e Walmor dobravam jornada no bar.

A encomenda do primeiro Eisbein e os jantares musicais

Um dia o senhor Peterson, dono da Servopa, encomendou um jantar com Eisbein – tradicional receita alemã de joelho de porco –  para 10 pessoas. Era uma sexta-feira e, uma semana depois, o pedido foi feito novamente, dessa vez para 15 pessoas. Em pouco tempo o Bar Porsche passou a ser assiduamente frequentado pelas famílias de colaboradores e clientes da Servopa. As noites eram animadas com música alemã executada ao vivo. O quarteto de músicos era formado por três gerações da família. O patriarca, senhor Carlos, tocava acordeon e dois filhos dele: Arno,  no contrabaixo, e Kali, no bandoneon, além da neta, Siegrid, no segundo acordeon. “As pessoas vinham em grupos, comiam muito, bebiam e dançavam por longas horas. É diferente de hoje, quando se come pouco e boa parte das poucas horas no restaurante são gastas nos aparelhos celulares” – comparou o Egon em entrevista para a Tutano.

Fato é que, em dois meses o bar, com capacidade para 120 pessoas, passou a lotar a partir da quarta-feira. Os pratos eram servidos individualmente e chegavam à mesa com Eisbein, salsichas branca e vermelha, chucrute e batata. Steinhaeger e cerveja também eram servidos em larga escala e o Bar Porsche seguiu neste ritmo até 1965.

A trajetória profissional de um jovem descendente alemão

Ao longo daqueles anos, o jovem Egon, filho do seu Arno, também dividia o tempo entre os estudos, tarefas administrativas na automecânica do tio (Automecânica Arno, na Vicente Machado e, posteriormente, na Pe. Germano Mayer) e, à noite, no Bar Porsche, que seguiu aberto até 1965.

Cantinho do Eisbein

Nos anos que se passaram, Egon Taruhn conheceu e se casou com a dona Wilce Maria, com quem teve 3 filhos: Rodrigo, Silvana e Estela. A família morava numa casa na Avenida dos Estados, bairro Água Verde onde, em 1986, eles abriram o restaurante Cantinho do Eisbein. “No início a garagem e a lavanderia se transformaram em restaurante” – contou-nos o Egon. Abriam somente às sextas-feiras para servir os Eisbein cozidos que eram encomendados na quarta. Primeiro os amigos encomendavam, mas depois o público chegava a mais de 100 pessoas.

Em 1989 o restaurante passou a abrir de quarta a sexta e não era preciso encomendar. Entrou a segunda opção de eisbein, assado no forno. Em 1992 o Egon se aposentou após 30 anos trabalhando como gerente de peças. Naquele mesmo ano o Cantinho passou a abrir de terça a domingo. O cardápio também cresceu: eisbeins, marreco e kassler. A partir de 1999 entrou o mignon na mostarda e, em 2001, a tradicional casa alemã passou a servir almoços executivos. O público principal era formado por profissionais do HSBC, que abrira sede administrativa nas proximidades. À frente na cozinha, sempre a dona Wilce. “Ela aprendeu a receita do eisbein com a minha mãe – Gunilda – e adaptou do jeito dela. As receitas de todos os outros pratos da casa são da Wilce. Eu fico no salão e o meu filho, Rodrigo, atende no caixa.” – revelou-nos Egon.

A atmosfera do restaurante

A Tutano foi convidada para uma rápida visita à cozinha do Cantinho do Eisbein, onde fomos muito bem recebidos pela dona Wilce e pelas cozinheiras. De cada panela que era aberta na nossa frente, brotava um aroma mais incrível do que o outro. Passeando pelos restaurantes de Curitiba, acabamos aprendendo que a culinária é uma experiência altamente sensorial, uma alquimia que transcende tempo e lugar. Pois nunca nos esqueceremos do passeio até a cozinha, nem da refeição alemã que realizamos nesse cantinho extraordinário.

Não esqueceremos a hospitalidade deste senhor de família alemã, seu Egon. Sempre recordaremos dos ambientes do Cantinho do Eisbein, com as paredes cobertas por coleções de canecos de louça, de pôsteres de cidades alemãs, de miniaturas de Kombis e Fuscas (paixões do Egon e do Rodrigo). A parede coberta pelos prêmios do Guia 4 Rodas –  de 1997 até recentemente – e a vitrine de modelos Lego montados pelo Rodrigo. Cada salão, cada espaço do Cantinho do Eisbein revela uma história da família que morou naquela casa e segue cozinhando e servindo suas receitas incríveis aos curitibanos que a frequentam. Finalmente, uma coisa nos marcou. O Rodrigo dividiu a mesa conosco durante o jantar. Olhando para ele servindo e comendo um prato com eisbein, chucrute, repolho roxo, salsichas, maionese de batatas e purê de maçã, parecia um menino que provava o prato favorito que a mãe preparou para o filho como se fosse a primeira vez.

Dicas Tutano

Há diversas opções de pratos executivos servidos na hora do almoço, a R$ 23,90:

  • Todas as quintas-feiras, no almoço, há um grande buffet de comida alemã a um preço fixo de R$49,50 por pessoa;
  • Quarta-feira e sábado tem feijoada na cumbuca, R$ 32 por pessoa;
  • Não deixe de conhecer as sobremesas da casa, como o strudel;
  • É possível fazer encomendas pelos telefones fixos e pelos aplicativos James Delivery e Ifood;
  • A Estela, filha do casal Egon e Wilce, tem a Estela Arantes Doces e Salgados, onde é possível encomendar maravilhas (com sotaque alemão ou não).

Cantinho do Eisbein
Avenida dos Estados, 863, Água Verde
(41)3023-5155 / 3329-5155
Terça a sexta-feira, 11h30 às 14h
Sábado e domingo, 11h30 às 15h
Terça a sábado, 18h30 às 23h

rodape_andreAndré Bezerra é amante da gastronomia boêmia e “garimpeiro” de experiências que surpreendem o paladar. Fundador da Monstro Animal – produtora de eventos – e escritor por hobby. Siga no Instagram: @andrbezerra

Leia mais:

Be-a-bá da gastronomia alemã
4 rotas de vinhos alemães para encher a mala de garrafa
5 restaurantes estrelados para conhecer em Munique
Bar do Alemão, por André Bezerra

Artigo de: André Bezerra

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(38)
  • Excelente
    24
  • Muito bom
    4
  • Normal
    5
  • Ruim
    3
  • Horrível
    2
DÊ SUA NOTA:
COMENTÁRIOS
  • Cantinho do eisbein, lugar onde
    encontra-se ótima comida, com atendimento excepcional!
    Tudo feito com muito afeto.
    Parabéns à família!