ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

Onde comer em Alba, por Beto Madalosso

8 de agosto de 2017

(31)
Um roteiro imperdível para conhecer a gastronomia de Alba

Alba é uma das mais importantes cidades da província de Cuneo, que pertence ao Piemonte. É pequena, tem cerca de 120 mil habitantes, mesmo assim é enorme se comparada às suas vizinhas e, por isso, acaba sendo ponto de referência na região. Fiz um roteiro com raio de 30 quilômetros. Por que 30? Porque sim. 30 quilômetros é uma distância pequena, confortável, onde você pode fazer um passeio para ir almoçar sem que seja cansativo e, garanto: nesse raio de 30 quilômetros dá para ver MUITA coisa.

Distância ideal também para quem quer conhecer a região pedalando. Passeios de até 60 quilômetros (30 ida e 30 volta) costumam estar dentro da expectativa da maioria dos ciclistas que eu conheço, e se fosse para dar uma sugestão de como você deve conhecer a região, minha sugestão seria essa: VÁ DE BICICLETA. Os pavimentos das estradas são ótimos e, além de ter pouco tráfego, os motoristas respeitam quem pedala. Outra vantagem da magrela é que você pode entrar com ela em lugares que carro ou moto são proibidos, mergulhar no centro das cidades em silêncio, sem ser incomodado.

Ensaiei uma dessas rotas “ao vivo” no meu Instagram. Queria ver se dava certo. Saí de Alba e segui para Diano d’Alba, depois Montelupo, Serralunga e Monforte d’Alba, onde parei numa pizzaria que eu gosto. Depois de Monforte continuei meu giro passando Castiglione Faletto até chegar novamente em Alba. No total fiz um “loop” de 60 quilômetros. Nesse rolê, passei por restaurantes incríveis, desde pequenas trattorias escondidas nos vilarejos até os mais sofisticados no alto das colinas com lindas vistas para os vinhedos. Passei também por grandes cantinas de vinhos, como a Fontana Fredda e alguns Barolos, sempre viajando através das plantações de uvas que maduras e fartas, quase prontas para a colheita. Sinceramente, eu não queria que meu dia acabasse.

Todas essas micro cidades se assemelham num aspecto: elas tem um centro histórico pavimentado com paralelepípedo, sempre com uma igreja matriz e um castelo em anexo, os “corações das cidades”. Centros históricos fazem a gente viajar no tempo. Outra particularidade da região é a composição dos cardápios. O italiano respeita e valoriza muito as tradições, as estações dos produtos e os “porquês” de serem assim. O Piemonte foi rota de passagem das tropas de Napoleão que vinham do sul em direção à França e por isso desenvolveu uma gastronomia que mistura carne, massas e peixes em conserva (para dar maior prazo de validade ao alimento já que o Piemonte não está na beira do mar).

Sendo assim, em todos os restaurantes você vai encontrar:

Carne Cruda (carne picada temperada com sal, e só sal), Vitello Tonnato (carne assada e fatiada servida com molho de atum e maionese), Insalata Russa (salada de batatas com ervilha, cenoura, maionese e atum), Ravioli Del Plin Con Burro e Salvia (ravioli recheado com três tipos de carne, normalmente coelho, vaca e porco, puxado na manteiga com sálvia), Tagliolini All’uovo Con Ragu Di Arrosto (massa fresca preparada com gemas de ovos servida com molho de carne assada), Tajarin al Tartufo Nero (massa com trufas negras), Acciughe Marinata (anchovas em conserva), Tagliata Di Fasona (carne de vaca grelhada servida fatiada com salada ou legumes), Manzo Con Salsa Barolo (carne assada com vinho barolo), Coniglio Al Forno Con Verdure (coelho ao forno), e, de sobremesa, sempre vai ter avelã, que dá que nem praga por aqui. Essa sequência é a espinha dorsal dos cardápios do Langue, mas cada um vai ter suas próprias especialidades também.

Os pratos se repetem mas a qualidade, claro, vai variar de restaurante para restaurante. É como estar na Bahia e todo mundo servir moqueca ou estar nas Serras Gaúchas e todo mundo servir galeto a primo canto. Ah, antes que eu esqueça: é como estar em Santa Felicidade e todo mundo servir frango com polenta. O cardápio é o mesmo mas você sempre vai ter um xodó.

Nessa construção de dicas talvez eu passe batido por alguns lugares e alguém fale “Nossa, ele não viu isso!”. Faz parte, desculpa aí. O que eu trago é um apanhado de lugares que fui e gostei e de outros que não fui mas que corre na boca pequena de quem entende do assunto. Afinal, quem trabalha com restaurantes como eu acaba fazendo amizade com cozinheiros, garçons e outros donos de restaurante, e essa gente sabe o que diz, eu garanto, Também vou trazer indicações do Guia Michelin e do guia Where Chefs Eat, dois aplicativos que uso de vez em quando e que são muito confiáveis, diferente de tantos outros aplicativos “gastronômicos” que só colocam a gente em roubada. Bom, vamos lá, vou começar por Alba.

Alba: Centro Histórico e Cidade.

Começo pelo marco zero de Alba, exatamente na Piazza Duomo, onde fica a Igreja Matriz e a Prefeitura da Cidade. É na Piazza Duomo também que fica o homônimo restaurante do Chef Enrico Crippa, dono de 3 estrelas Michelin e atualmente o 15° Melhor do Mundo na lista The Worlds 50 Best. Por mais que eu esteja morando praticamente em cima dele, eu nunca comi lá. Ainda não tive coragem de investir 200 num jantar para comer sozinho numa mesa de canto. Um jantar assim deve ser compartilhado. Tudo que sei por enquanto é que a porta do Piazza Duomo se destaca com ousadia em meio à vizinhança do século XV: sua fachada é inteira lilás com grafismos em dourado. Achei do caralho quando vi.

Piazza Duomo
Piazza Risorgimento, 4 – Alba, Itália
Terça-feira a sábado, 12h30 às 14h e 19h30 às 22h
+39 0173 366167

Só a existência do Crippa já seria motivo para você vir pra cá. Muita gente desconhece o significado das Estrelas Michelin que, segundo o “estatuto” do guia, funciona mais ou menos assim: os que têm 1 estrela são restaurantes que merecem uma visita se estiverem no seu caminho. Já os que têm 2 Estrelas são restaurantes que valem a pena um desvio de rota. Agora, escuta essa, os 3 estrelas são restaurantes que merecem a viagem. Isso quer dizer que você pode pegar um voo aí no Brasil, aterrizar em Alba, jantar no Piazza Duomo, e voltar para casa sem peso na consciência. Mas como você não é bobo nem nada, você vai aproveitar essas dicas e passar uma semaninha desfrutando da região. Até porque você precisa dar A SUA OPINIÃO sobre a gastronomia do Piemonte, e para isso você precisa de um grande repertório para fazer comparações.

Anexo ao 3 estrelas, o Crippa mantém um bistrô chamado La Piola. Muitos chefs fazem isso por aqui. Eles oferecem alta gastronomia em um lugar cheio de formalidades e uma experiência mais casual com pratos mais simples e baratos no bistrô. O La Piola, mesmo sendo o “genérico” do Piazza Duomo, é bom para cacete.

La Piola
Piazza Risorgimento, 4 – Alba, Itália
Segunda-feira a sábado, à partir das 12h15 e à partir das 19h15
+39 0173 442800

Exatamente na frente da minha casa está o café mais bacana de Alba, se chama Vicolo Del Arco, mesmo nome da rua. Matteo, o dono, tem mão boa para criar conceito, pensa em todos os detalhes, desde a música – normalmente Bossa Nova, iluminação com lâmpadas e abajures de diversos formatos, porta retratos e quadros pendurados nas paredes ou soltos pelo chão, e um mix de móveis antigos e modernos. Não entendo porra nenhuma de decoração, só sei que me sinto bem ali dentro. Sem falar da paz que oferecem as mesas externas nessa viela que não passa quase ninguém. Antes de abrir o próprio café, Matteo foi consultor para assuntos internacionais da Lavazza, uma das maiores marcas de cafés italianos, ou seja, o cara manja da arte.

Vicolo Dell’Arco
Vicolo dell’Arco, 1 – Alba, Itália
Terça a sexta-feira, 7h30 às 19h30
Sábado, 7h30 às 20h
+39 0173 470924

A primeira coisa que comi quando cheguei em Alba foi o Vitello Tonnato e o Ravioli Del Plin da Osteria del Sognatori. Dizem que é o melhor custo x benefício daqui, sei lá. Comida boa, farta e sempre movimentado, o restaurante se faz muito democrático. Não tão democrático assim é o Bistro Del Sognatori, do mesmo dono, que fica numa esquina atravessando a rua. O Bistrô tem um viés político, com cartazes de bandas alternativas e frases comunistas rabiscadas nas paredes. É um dos lugares mais movimentados da cidade, sempre tem alguma atração artística ou musical, até porque o Paulo, sócio dos Sognatori, tinha uma loja de discos de vinil antes de entrar para vida da gastronomia. Reduto da juventude liberal antifascista, o Bistrô del Sognatori tem forte personalidade e fumaça de erva constante no ar.

Osteria del Sognatori
Via Morimondo, 1 – Alba, Itália
Segunda a sexta-feira, 6h30 às 15h e 17h às 23h
Sábado, 19h às 23h30
Domingo, 12h às 15h
+39 0289 126048

Já o pessoal da “direita” prefere o Hemingway, um bar com uma das melhores cartas de coquetéis que já vi. Fica no meio de uma praça da qual faz proveito para colocar as mesas para fora e oferecer música ao vivo nas noites de verão. Enquanto o Sognatori atrai os intelectuais de dreadlocks e chinelos de dedo, o Hemingway segura a turma que curte uma bala, ops, uma balada das boas. Ali o bicho pega.

Hemingway
Via Mandelli, 3 – Alba, Itália
Terça-feira a domingo, 18h às 2h
+39 347 889 0628

Depois de alguns dias comendo o cardápio típico, você não aguenta mais ver Carne Cruda e pasta fresca na frente. A saída, então, é a casa de carnes Boves. Um dos únicos, senão o único lugar, especializado em hambúrgueres. Tem várias opções para trogloditas tipo eu, que dão prejuízo se vier ketchup e barbecue na mesa.

Boves
Via Mazzini, 3 – Alba, Itália
Terça-feira a domingo, 12h às 15h30 e 18h30 às 00h30
+39 0173 287323

Na Piazza Savona, a praça de entrada de Alba onde acontecem diversos eventos abertos ao público, desde festivais musicais até largadas de Rally, fica um dos meus restaurantes favoritos, o EnoClub. Assim como outros, o EnoClub também tem um Bistrô, o Caffè Umberto, que dispõe mesas externas numa das laterais da praça enquanto o salão principal aguarda silencioso, com discrição, a chegada dos clientes em um lindo espaço subterrâneo formado por arcos de pedras com iluminação indireta.

Caffè Umberto
Piazza Michele Ferrero, 4 – Alba, Italia
Reservas: +39 0173 33994

Aí tem o Larossa, nesse eu não fui mas tive uma aula com o Chef Andrea em meu curso de gastronomia. Muito bem falado por aqui. Não é estrelado mas está no guia Michelin. Outros dois que também não conheço e vivo ouvindo falar são o Osteria dell’Arco e o La Libera. Lembrando que o Guia Michelin não divulga somente restaurantes estrelados, mas também bons restaurantes que devem fazer parte daquela wish list.

Larossa
Via Don Giacomo Alberione, 10/D  – Alba, Itália
Reservas: +39 0173 060639

La Libera
Via Elvio Pertinace, 24 – Alba, Itália
Segunda-feira, 20h às 23h
Terça-feira a sábado, 12h às 14h30 e 20h às 23h
+39 0173 293155

Osteria dell’Arco
Piazza Michele Ferrero, 5 – Alba, Itália
Terça-feira a sábado, 12h30 às 14h e 19h30 às 22h30
+390173363974

O melhor croissant que comi na vida fica aqui, numa cafeteria chamada Dolcemente. Não vou ficar explicando o por quê. É o melhor e pronto.

Dolcemente
Piazza Michele Ferrero, 11 – Alba, Itália
Terça a sexta-feira, 7h30 às 19h30
Sábado e domingo, 8h às 12h30 e 15h30 às 19h30
+39 0173 361426

Ja o melhor aperitivo italiano, aquele esquema onde você pede uma cerveja, uma taça de vinho ou um coquetel e se serve livremente na mesa de antepastos, é o do Bóia Fauss. PQP, me emociono só de falar esse nome. O Bóia Fauss é uma cervejaria artesanal excepcional, tem um ambiente descolado e área externa sempre vibrante. Vive cheio de uma galera super bacana, bonita e inteligente, tipo eu. Sem dúvida é o lugar que eu mais frequentei desde que cheguei aqui. Ah, por último mas não menos importante: é barato ir no Bóia Fauss. Já pensou? Você paga pouco e ainda tem chance de me encontrar hahaha!

Bóia Fauss
Corso Langhe, 59 – Alba, Itália
Terça-feira a sábado, 8h30 às 22h30
+39 0173 061606

Fechando a lista preciso falar de outros dois lugares do coração, onde me sinto totalmente em casa. Fazem parte do time custo x benefício e oferecem diversas opções de pratos, são bem menos xiitas. Nada muito sofisticado, nada muito excepcional, mas são daqueles que você vive com vontade de voltar, sabe? Tipo Top of Mind mesmo, que faz bem pro estômago e para alma, que te deixa feliz. Um é o Cincillà, que fica no centro histórico. O outro é o Agli Archi. Os dois tem mesas pro lado de fora e nos dão a sensação de estar de frente pro mar. Só falta o mar.

Cincillà
Via Vicenzo Giacoza, 2 – Alba, Itália
Reservas: +39 0173 441797

Agli Archi
Corso Europa, 29 – Alba, Itália
Reservas: +39 0173 280974

É logico que eu não deixaria você sem uma sobremesinha, e nada melhor para adoçar a vida do que um sorvete. Opa, sorvete não, sejamos justos: Gelato Italiano. A primeira e mais movimentada gelateria de Alba é a Il Gelatiere. Tem 36 anos desde sua fundação e é frequentada principalmente por moradores, o que lhe dá ainda mais credibilidade. Vai lá, depois me conte.

Il Gelatiere
Corso Fratelli Bandiera, 13/A – Alba, Itália
Terça-feira a domingo, 11h à meia-noite.
Segunda-feira, meio-dia à meia-noite
+39 0173 440446

Leia mais:

Beto Madalosso chegou ao Piemonte
Beto visita a produção do queijo grana padano

Artigo de: Beto Madalosso

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(31)
  • Excelente
    30
  • Muito bom
    1
  • Normal
    0
  • Ruim
    0
  • Horrível
    0
DÊ SUA NOTA:
COMENTÁRIOS
  • Oi, Lincoln! Destino maravilhoso! Temos muitas sugestões de restaurantes que não são estrelados, em Alba e nos arredores, nessas listas:

    https://tutanogastronomia.com.br/colunas/onde-comer-em-alba-por-beto-madalosso/
    https://tutanogastronomia.com.br/onde-comer-em-alba-arredores-parte-1-por-beto-madalosso/
    https://tutanogastronomia.com.br/15452-2/
    https://tutanogastronomia.com.br/arredoresdealbaparte3/

    O melhor é conhecer a região de carro, o trem não leva para os restaurantes vizinhos. Então, alugue um carro, se possível, para conhecer o melhor das redondezas, inclusive os vinhedos e as vistas. Se ficar só em Alba, também temos uma lista só de restaurantes em Alba. Um dos restaurantes mais gostosos é o La Ciau del Tornavento, que fica a 7 ou 8km de Alba. Boa viagem! :)

  • Em janeiro, estarei na Escócia e pretendo dar uma fugida até Alba na Italia. serão apenas 5 dias. Estou pesquisando sobre a região e gostaria de alguma dicas. Sei que o forte é a gastronomia e vinhos. Quanto a gastronomia, não tenho muito interesse pelos restaurantes estrelados do Michelin. Prefiro os populares frequentado pelos locais. Claro que não está afastado um jantar mais sofisticado, mas minha esposa e eu procuramos sempre pelos locais mais interiores, onde podemos conhecer mais de perto os costumes da região.
    Poderia dar alguma orientação ? Ah , importante : somos um casal de quase 70 anos, portanto nada de bicicleta e nem de subir colinas.
    Estamos pensando em chegar em Turim e pegar um trem para Alba.
    Agradeço e envio um abraço.
    Lincoln

  • Oi Carlos

  • Va BENNE!