ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

Onde comer na Rua XV de Novembro

14 de julho de 2017

(0)
Nosso colunista André Bezerra indica restaurantes, bares, lanchonetes e confeitarias

Em 1880, por ocasião da visita dos soberanos a Curitiba, essa rua passou a chamar-se Imperatriz. O nome Rua Das Flores vem de antes disso, remonta a 1850. Posteriormente, a Rua Imperatriz foi rebatizada para XV de Novembro. O nome como sempre foi conhecida perdura até hoje, ao longo dos séculos. Já uma senhora, em 1972 a Rua Das Flores passou por uma importante “cirurgia plástica”, que transformou o trecho entre a Boca Maldita e o Edifício da Associação Comercial do Paraná em um longo calçadão para pedestres. O projeto foi do então prefeito da cidade, Jaime Lerner. A Tutano foi procurá-lo e descobriu que, para que se concretizasse a obra, nem tudo foram flores: “Os comerciantes ao longo da rua não queriam que ela fosse fechada aos carros. Por isso, para evitar que medidas judiciais fossem tomadas e pudessem interromper as obras, as primeiras quatro ou cinco quadras foram calçadas pela prefeitura em 72 horas”, contou Lerner. O projeto do urbanista visionário seguiu em frente e se concretizou. O comércio floresceu ainda mais ao longo do charmoso calçadão e nós saímos em busca de um circuito gastronômico para nossos leitores.

Restaurante Getúlio

No primeiro andar do tradicional hotel Slaviero Slim, o Restaurante Getúlio recebeu esse nome por causa do Getúlio Vargas. Quando era presidente, ele se hospedou nesse endereço e discursou para milhares de curitibanos reunidos na Rua Das Flores, diante do grande balcão do hotel. No restaurante, um buffet a quilo atende de segunda a sexta-feira, das 12h às 14h30. Cada dia, além das saladas, pratos quentes e sobremesas, um prato “carro-chefe” é servido. Segunda é o dia dos pratos mais leves e inclui um suco detox, terça tem picanha grelhada, quarta é feijoada, quinta-feira, peixes e sexta tem uma saborosa costela assada. Você ainda pode encerrar a refeição com um cafezinho na grande sacada de onde Getúlio discursou. Ela fica no bar desse restaurante, com vista para a Boca Maldita.

Refeição no quilo  –  R$49
Buffet livre – R$35
Discursar do balcão do restaurante – não tem preço

Rua Luiz Xavier, 67, Centro
(41) 3322-2829
Segunda a sexta-feira, 12h às 14h30

Bar Mignon

Fundado em 1925, por Heitor Amatuzzi. Aparentemente, onze a cada dez frequentadores da Rua Das Flores não passa sem um chopp, um sanduíche de pernil, ambulante ou o churrasco do Bar Mignon. Comemos a meia salada de chorizo e pedimos para incluir o “arroz molhado”, uma porção de arroz regado com o molho do pernil desfiado. Acompanha farofa e a deliciosa maionese caseira de batatas. Essa combinação custa R$24, prato individual, e o chopp gelado sai a R$10 na caneca de 500ml. Escolha uma mesa no calçadão, ao ar livre. O atendimento é muito cordial e você vai ter companhia, mesmo se estiver sozinho. Fomos atendidos pela garçonete Rosa, que trabalha na casa há 22 anos e nos convidou para conhecer uma pequena exposição de fotos antigas da Rua XV, no mezanino do restaurante. A Rosa é mais uma flor da Rua Das Flores.

Rua XV de Novembro, 42, Centro
(41) 3222-3216
Segunda-feira a domingo, 10h às 23h

Bar e Restaurante Triângulo

Fundado em 1939, o Bar Triângulo é administrado pela família Imad há quinze anos. Também com mesas no calçadão, sentamos e pedimos o cachorro-quente com duas vinas e verde. Vem no pão d´água de produção própria, com molho caseiro de tomates muito frescos que, junto com as vinas especiais, compõem um dos melhores cachorros-quentes que já provamos. A casa também serve outros tipos de sanduíches, pão com pernil, porções e as carnes feitas na chapa, além do chopp gelado. O cachorro-quente com uma vina custa R$6,50, com duas sai a R$9,50 e tem também com linguiça, a R$11.

Rua XV de Novembro, 36, Centro
(41) 3014-4058
Segunda-feira a sábado, 10h às 23h
Domingo, 10h às 18h

Restaurante Green Land

Fundado há 30 anos, pela Eliane Carvalho, o primeiro endereço era na Trajano Reis, na sobreloja da padaria diante do relógio das flores. Desde 1990 ele está no primeiro andar do número 548 da Rua Das Flores, bem ao lado da Galeria Lustosa. Serve um buffet de almoço que já se tornou um dos nossos favoritos em Curitiba. Muitas saladas, pratos quentes, opções de sopas e sobremesas. Tudo muito fresco, equilibrado, colorido e saboroso. A cozinha da Casa se encarrega de cada produto e de cada receita, sob o olho clínico da Eliane e das chefs Silmara Vieira e Ana Paula Almeida. Das saladas às sobremesas, é tudo produção própria. Até os diversos tipos de pão e torradas temperadas, que também recomendamos, são preparados pelo cozinheiro Reginaldo, no restaurante. O quilo custa R$39,90 ou R$24,90 no buffet livre, incluindo sopas, sucos e sobremesas deliciosos. Aos domingos e feriados vai para R$45,90 o quilo, ou R$29,90 livre.

Rua XV de Novembro, 548, Centro
(41) 3222-2132
Domingo a sexta-feira, 11h às 14h45

Confeitaria das Famílias

Fundada em 1945, essa confeitaria carrega tanta tradição que já foi apelidada de “Confeitaria Colombo” de Curitiba. E ela carrega também muita história. Por exemplo, vem dali a receita original da famosa Torta Martha Rocha. Batizada pelo fundador da Confeitaria das Famílias, Jesus Terzado, homenageia a Miss Brasil 1954. Vendo a esposa frustrada com o vice-campeonato da miss na etapa mundial, quando ficou em segundo lugar por motivos considerados controversos, Terzado resolveu batizar a receita no calor da polêmica. Qualquer doce do extenso balcão de vidro ao longo do salão custa R$7. As bombas de chocolate com creme de leite são tradicionais, mas também recomendamos o mil folhas de creme e o doce de ovos com coco. A torta Martha Rocha é vendida apenas inteira, custa R$50 o quilo. Serve também salgados, todos preparados na cozinha da Confeitaria. Provamos a empada de palmito, bem saborosa. Esse doce cantinho da Rua das Flores abre todos os dias, “inclusive no natal e ano novo”, segundo o gerente Ederson, que trabalha na casa há 20 anos.

Rua XV de Novembro, 374, Centro
(41) 3223-0313
Segunda-feira a domingo,  8h às 22h

Café Senadinho

Já indicamos buffets, refeições, porções, comida leve e sobremesa. É claro que o colunista Tutano não poderia passar sem o cafezinho. E foi sentado em uma mesa externa do Café Senadinho – um quiosque no calçadão – quase na esquina com a Monsenhor Celso. Data de 50 anos atrás e há quatro está sob o comando do simpático Marquinhos. O expresso quentinho, feito de grãos bem torrados, custa R$3,75.

Rua XV de Novembro, 290, Centro
Segunda a sábado, 7h às 20h

Barateza

Se você estiver pelo centro de Curitiba, praticamente sem dinheiro no bolso, e precisando comer algo, a Rua das Flores também pode ser o seu destino. Na Confeitaria Dois Corações, a coxinha de frango e catupiry, considerada uma das melhores da cidade, custa 5,70 e o Brioche – sanduíche no pão de batata próprio – sai por 5,20. Com 10,00 no bolso, ainda sobrou dinheiro para comer uma casquinha de sorvete em um dos dois Mc Donald’s, a R$2,50. De Imperatriz a Rua Das Flores, a XV de Novembro é certamente um dos destinos mais charmosos e democráticos de Curitiba. Passarela de famílias inteiras, casais de namorados, ponto de encontro de amigos e “amigues” – atualmente, até unicórnios circulam por ela – qualquer um pode se tornar iconoclasta nessa rua. Ela é freqüentada pelo artista Plá e pelo Oil Man.

A Rua Das Flores foi inspiração para o poeta Paulo Leminski e segue inspirando o escritor Luis Henrique Pellanda, nas obras sensíveis onde ele vem retratando essa cidade. É nessa rua que o fotógrafo Maringas Maciel encontrou muitas das figuras clicadas para o álbum Gentes, lançada recentemente. A Rua das Flores segue abrigando espetáculos, passeatas e comícios históricos, recebe a Zombie Walk e é o endereço da Boca Maldita. Para nós, garimpeiros da Tutano, a Rua Das Flores é o lugar para se encontrar o que comer e conhecer o verdadeiro tempero da capital do Paraná.

rodape_andre

André Bezerra é amante da gastronomia boêmia e “garimpeiro” de experiências que surpreendem o paladar. Fundador da Monstro Animal – produtora de eventos – e escritor por hobby. Siga no Instagram: @andrbezerra

Leia mais:

Pizzaria Itália, por André Bezerra
Armazém Califórnia, por André Bezerra

Artigo de: André Bezerra

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(0)
  • Excelente
    0
  • Muito bom
    0
  • Normal
    0
  • Ruim
    0
  • Horrível
    0
DÊ SUA NOTA: