ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

Enólogo, enófilo, sommelier ou enochato?

29 de setembro de 2016

(22)
Você sabe mesmo a diferença entre eles? Nós explicamos!

O mundo dos vinhos tem muitos personagens e talvez o mais conhecido seja o enochato. Mas existem outras figuras bem mais interessantes. Para você saber quem é quem na ordem do dia, não passar vergonha por aí ou até mesmo identificar, e se esquivar, do que possa ser inconveniente, aqui estão breves definições.

Enochato

Inevitável: todo mundo conhece um. É a pessoa que faz pose, que fica fungando na taça em qualquer festa de aniversário, que faz discurso no churrasco de domingo, que acha que o vinho é bebida de elite, que identifica cheiros e sabores que a gente nem sabia que existiam e que tenta mostrar, a qualquer custo, que tem conteúdo. Há os que têm e os que não têm conhecimento, mas nos dois casos nota-se a chatice à distância. Corra.

Sommelier

Sommelier (no masculino; e sommelière, no feminino) é o/a profissional que te atende em restaurante, loja, importadora, etc., que sabe sugerir um bom rótulo para acompanhar determinado prato (sem ser o mais caro da casa) e que executa um serviço correto (incluindo aparecer e desaparecer nas horas certas). Ele/a não cuida apenas dos vinhos, mas das bebidas em geral – hoje temos sommelier de água ou chá, por exemplo. Infelizmente, conhecimento sobre vinhos deveria ser pré-requisito para a profissão, regulamentada em 2011, mas está cheio de “sumaliê” no mercado.

Enófilo

O querido e polêmico Luiz Groff costuma dizer: “enólogo é o cara que diante do vinho toma decisões; enófilo é aquele que diante de decisões toma vinho”. Descrição mais perfeita, não há. Enófilos somos todos que adoramos essa bebida maravilhosa fruto da fermentação das uvas, brancas ou tintas. Somos nós que brindamos as alegrias e afogamos as mágoas taça após taça.

Enólogo

Já enólogo são os responsáveis pela nossa satisfação a cada rolha sacada. Eles cuidam dos vinhedos, escolhem o estilo, decidem a tipicidade, produzem o vinho e garantem qualidade para a bebida atravessar fronteiras e chegar a sua mesa. Por sinal, esse é um mundo dominado cada vez mais por elas, a exemplo da talentosa Filipa Pato, uma das figuras mais admiradas no Brasil pelos vinhos elegantes que assina. Ela lidera o projeto Vinhos Autênticos, Sem Maquilhagem que parte de conceitos como mínima intervenção nos vinhedos, valorização da autenticidade e expressão do terroir. Seu mais recente lançamento é o Sidecar 2015, um projeto encabeçado por outra enóloga famosa, a espanhola Susana Esteban. Em Curitiba, você encontra esse rótulo na Adega Brasil.

sidecar-2015

A versão 2015 do vinho, que chegou por aqui em número limitadíssimo de garrafas, é assinada pela dupla feminina mais o marido da Filipa, o sommelier William Wouters. O resultado é um vinho de autor que mistura com perfeição as uvas tradicionais da Serra de São Mamede, no Alentejo, com a uva Baga de vinhas centenárias da região da Bairrada. Um vinho macio e elegante, que deve ser servido ligeiramente fresco (entre 14 e 16º C) e harmoniza com carnes vermelhas e queijos cremosos. A graduação alcoólica é de 12,5%. O preço sugerido é de R$ 499,00.

Esta publicação é uma parceria com a Porto a Porto.

Leia também:

5 mitos e verdades sobre os vinhos
5 mitos e verdades sobre os vinhos – parte 2

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(22)
  • Excelente
    10
  • Muito bom
    9
  • Normal
    1
  • Ruim
    1
  • Horrível
    1
DÊ SUA NOTA: