ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

Os tintos vão bem com o verão

11 de novembro de 2016

(5)
7 vinhos tintos para tomar no calor

Entre os mitos do mundo dos vinhos está aquele que diz que tintos não combinam com verão. É claro que quando defendemos que podemos optar por eles também nessa época do ano, não estamos nos referindo a vinhos pesados, encorpados, com aquelas explosões de fruta e madeira no nariz e grau de álcool que derruba até quem sofre de pressão alta. Estamos falando daqueles tintos leves para você tomar “como água”, como os europeus fazem com o Beaujolais Nouveau quando ele é lançado, em novembro de cada ano.

Assim como espumantes, brancos e rosés, os tintos permitem temperaturas mais baixas. Aqui vale um parêntese: o “consumir em temperatura ambiente” não se refere aos 30ºC e muitos que comumente enfrentamos no verão; então, de qualquer maneira, os tintos também irão passar um tempo na geladeira. O ideal é optar por exemplares jovens, mais leves e menos alcoólicos nessa época. Mas nada de abusar e servir tinto estupidamente gelado, pois os aromas e sabores ficam mascarados em temperaturas muito baixas. A dica é deixar 20 minutos na geladeira antes de abrir a garrafa.

Confira 7 sugestões de vinhos tintos para dias quentes, todos trazidos ao Brasil pela importadora Porto a Porto:

Cefiro Pinot Noir

O Vale de Casablanca, no Chile, tem um clima perfeito para o cultivo da Pinot Noir. O resultado é um vinho fresco e saboroso, mesmo tendo passado 6 meses em barrica. Acompanha super bem tartare de atum e saladas frescas. Preço sugerido: R$ 65

cefiro

Le Clos de Reynon tinto

É possível ser feliz tomando vinho tinto de Bordeaux também no verão e aqui está a prova. Elaborado pela Domaine Denis Dubourdieu com a uva Merlot, é leve, equilibrado e macio, além de ter apenas 13º de álcool. Preço sugerido: R$ 109

reynon

Quinta do Cachão

O motivo de a região do Douro ser chamada de a Borgonha de Portugal tem a ver com a elegância. É isso que se percebe nesse vinho que combina cinco castas tradicionais do país europeu. Frutado e macio, excelente companhia para tábua de queijos. Preço sugerido: R$ 46

quinta

Loios

O Alentejo, em Portugal, até pouco tempo era conhecido como terra de vinhos encorpados e quentes, mas hoje sabe-se que a produção local vai muito além disso. Esse exemplar, elaborado pelo reconhecido enólogo João Portugal Ramos, é elegante, macio, frutado e muito bem equilibrado. Preço sugerido: R$ 46

loios-tinto

Alfredo Roca Fincas Pinot Noir

Na Argentina, a Pinot Noir se dá muito bem do Vale de San Rafael, região a 130 km sudeste de Mendoza. Esse tinto apresenta aquela característica cor de cerejas frescas dessa uva e combina com massas leves. Preço sugerido: R$ 53

alfredo-roca-fincas-pinot-noir

Emilia Malbec

A linha Emilia, da Nieto Senetiner, é focada em um público que gosta de vinhos mais leves e sem grandes complicações. E esse Malbec é assim: com boa acidez e taninos macio. Fica muito bom mais geladinho. Preço sugerido: R$ 45

emilia-malbec

Monastério de San Prudêncio

A uva Tempranillo, símbolo da Espanha, é muito versátil. Nesse caso, elaborada pelo produtor Marqués de Tomares na Rioja, acompanhada de uma outra uva típica, a Graciano, dá um vinho fresco, com ótima acidez, o que o torna um excelente companheiro para carnes vermelhas magras. Preço sugerido: R$ 36

monasterio-de-san-prudencio

Onde encontrar em Curitiba:

Esta publicação é uma parceria com a importadora Porto a Porto.

Leia mais:

5 mitos e verdades sobre os vinhos
5 mitos e verdades sobre os vinhos – parte 2

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(5)
  • Excelente
    4
  • Muito bom
    1
  • Normal
    0
  • Ruim
    0
  • Horrível
    0
DÊ SUA NOTA: