ENTRAR Bem-vindo! Faça login para ter
uma experiência completa.

Pancs: quem são? Onde vivem? O que comem?

9 de junho de 2017

(16)
Spoiler: ora-pró-nobis e peixinho estão na lista das pancs

Não, Pancs não têm nada a ver com aquele movimento musical e cultural que teve Sid Vicious e Joe Strummer como ícones. Muitos menos os amigos da Punky, A Levada da Breca. Pancs também não têm nada a ver com aquelas coisinhas que brilham no mar. Aliás, esses são os Plânctons. 😉

A curiosidade tá aumentando? Então, vamos lá: pancs são Plantas Alimentícias Não Convencionais. Legal. Mas quem são? Onde vivem? O que comem?

A gente também não tinha a menor ideia. E por isso fomos conversar com entendedores do assunto: o Paulo Luciano, Biólogo e Especialista em Plantas Potenciais e a chef Iracema Bertoco, professora dos cursos de gastronomia do Centro Europeu. Bom, pra começar, o Paulo Luciano explicou que as pancs são aquelas plantas que nascem de forma espontânea em áreas de cultivo ou em terrenos não cultivados e em áreas de jardins. “E por nascerem e se desenvolverem em diferentes lugares, são mais ricas em nutrientes, sais minerais, proteínas, e outros elementos nutricionais interessantes para a saúde de nosso corpo”, fala.

A chef Iracema, que ensina tudo sobre as pancs aos alunos de Gastronomia no Centro Europeu, também clareou as nossas ideias contando que as pancs parecem ser um assunto novo, mas que, na verdade, algumas já são velhas conhecidas e consumidas em todo o país. “As mais consumidas no Brasil variam muito de acordo com a região: ora-pró-nobis, serralha, peixinho (pulmonária), taioba, urtiga, azedinha, dente de leão. Algumas partes não convencionais de plantas convencionais também são chamadas de pancs, como o coração (umbigo) da bananeira, broto da abobrinha, folhas de batata doce, etc”, explica. A ora-pró-nobis, por exemplo, já caiu no gosto popular. Também pudera, já que a planta tem 25% de proteína. Alex Atala e Manu Buffara são alguns dos chefs que apostam nessa verdura.

As mais consumidas no Brasil, variam muito de acordo com a região: ora-pró-nobis, serralha, peixinho (pulmonária), taioba, urtiga, azedinha, dente de leão.

E para que servem as pancs?

Para comer, oras! Afinal, possuem um alto valor nutricional e são saborosas. Não à toa, estão sendo descobertas por renomados chefs de cozinha e também podem ser consumidas como geleias, em saladas, refogados, sucos verdes, panifícios, condimentos. “Muitas ainda apresentam poder aromático e medicinal”, conta o Paulo Luciano.

Pancs na alta gastronomia. Modismo ou não?

Para o Paulo Luciano, não. As pancs chegaram como uma alternativa para a Gastronomia, já que agregam sabores diferentes a diversos pratos, além do resgate culinário de espécies de plantas ricas em nutrientes e propriedades que um dia já foram utilizadas pelos nossos avós. No Centro Europeu, a Iracema já ensinou várias receitas com as pancs: risoto de urtigas, coração de bananeira recheado, farofa de pancs e você pode conferir o passo a passo de uma delas clicando no link da receita de galinha caipira com especiarias, cuscuz de quinoa, maria preta e beldroega refrescante.

Incentivo

Já que essas plantas nascem espontaneamente, e também são fáceis de cuidar, podem ser mantidas em vasos e jardins. Paulo defende que qualquer um pode cultivar pancs, basta deixar que aquelas plantas que nascem naturalmente junto àquelas que você já cultiva sejam multiplicadas. “Então, na maioria das vezes você consegue de graça”, diz. Se preferir comprá-las, a dica da Iracema é procurar em feiras orgânicas ou direto do produtor, apesar de ainda não existirem muitos.

Vocabulário pancs

  • Raízes: cúrcuma (Cúrcuma longa); inhame (Colocasia esculenta); bardana (Arctium lappa).
  • Folhas: urtiga (Urtiga dioica); pulmonária ou peixinho (Stachys byzantina); ora-pro-nobis (Pereskia aculeata); beldroega (Portulaca oleracea); dente de leão (Taraxacum officinale).
  • Flores: hibiscus (Hibiscus sabdariffa); açucena (Hedychium coronarium); capuchinha (Tropaeolum majus).
  • Sementes e frutos: aroeira (Schinus terebinthifolius); jaca (Artocarpus heterophyllus); azulzinha (Clidemia japurensis); maria pretinha (Solanum americanum); amora preta (Morus nigra).

Leia mais:

Fonte de proteína, ferro e afeto
Growler: chope artesanal fresco em casa

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
AVALIAÇÕES
(16)
  • Excelente
    14
  • Muito bom
    0
  • Normal
    0
  • Ruim
    1
  • Horrível
    1
DÊ SUA NOTA:
COMENTÁRIOS
  • Bom dia, muito interessante oportuno e a forma que são abordados os temas neste informativo...parabéns...