Por que você precisa conhecer Palmeira?

2
1416
Foto: equipe Tutano

Se você morria de inveja do Anthony Bourdain (que esteja olhando por nós, eternos admiradores) que viajava o mundo descobrindo os melhores sabores, saiba que a sua hora de brilhar finalmente chegou. Agora você também pode ser um desbravador da gastronomia! É só vir com a gente na 1ª Expedição Tutano, com destino a Palmeira!

A cidade tem quase 200 anos de fundação e surgiu a partir do antigo caminho de Viamão, um trajeto que ligava o Rio Grande do Sul a Sorocaba. Os tropeiros viajavam por essa estrada em direção às feiras de animais na cidade paulista. Uma das paradas para descansar e deixar o gado pastar, deu origem à Vila de Palmeira. Até hoje você sente a vibe tropeira no ar, muito por conta do resgate histórico promovido por alguns palmeirenses, como a chef Rosane Radecki, e das características arquitetônicas da cidade.

E se você está cansado do clima político do país e sonha viver em uma comuna, bad news: você nasceu no período errado. Palmeira é a cidade que viveu a primeira experiência anarquista da América Latina! É lá que foi fundada a Colônia Cecília, que existiu de 1890 a 1893 e inspirou Zélia Gattai a escrever uma das suas obras prima: Anarquistas, Graças a Deus. Mas isso já faz muito tempo, então nem se empolgue!

Também é em Palmeira que fica a Colônia Witmarsum, um destino turístico que tem ganhado força nos últimos anos. O nome é uma referência à cidade catarinense de Witmarsum, de onde os menonitas, um grupo étnico-religioso, migraram na década de 1950. Na colônia, além de conhecer um pouco mais sobre a imigração no Paraná, algo que determinou muito da nossa cultura, você conhece vários pratos russo-alemães, característicos da cidade.

Além de ser um templo da comida boa, a cidade é lar de várias iniciativas inovadoras na gastronomia, como a cervejaria artesanal Usinamalte e o Pão da Casa. Criada pelo René e pela Vanessa Seifert, o Pão da Casa é uma padaria de fermentação natural colaborativa, que além de produzir pães, também promove cursos de panificação.

E por último, mas não menos importante, o Pão no Bafo! Tombada como Patrimônio Imaterial do Município de Palmeira, o prato é uma massa de pão cozida no vapor da carne de porco com repolho. Servido no Restaurante Girassol, foi a chef Rosane Radecki quem resgatou a receita e tem dedicado a sua carreira na valorização da gastronomia da cidade.

Agora você vem e diz “pô, Tutano, achei legal essa coisa de conhecer mais da nossa cultura, da história do que a gente come, mas como eu faço pra ir até lá?”. Fácil, é só participar da 1ª Expedição Tutano com destino a Palmeira, que vai rolar no dia 16 de março. O nosso roteiro de viagem é muito melhor que ver Chef’s Table, porque você pode viver a experiência com gente da nossa terra.

Você pode conferir todas as paradas da Expedição e comprar os seus ingressos aqui!

Leia mais

Participe da 1ª Expedição Tutano, com destino a Palmeira
Rene Seifert, por André Bezerra
Perdão aos pães, por Luís Henrique Pellanda
5 restaurantes nos arredores de Curitiba, por Rosane Radecki

2 COMENTÁRIOS

  1. Olá,
    Sigo vocês e acho o máximo a revista Tutano, tanto a impressa ( ainda tem ?) quanto on line. Parabéns!
    Depois de puxar o saco, gostaria de saber como será essa Expedição em Palmeira, curti a parada! Quanto custará? Sai algum combinado de Curitiba ou cada um vai por conta. Enfim, quais os detalhes e como faço para me inscrever ? Valeu
    Vilma Melo

DEIXE UMA RESPOSTA

Enviar comentário
Seu nome