A Tutano é como uma refeição. E das boas. Você começa aperitivando. Dá uma navegada, lê uma ou outra coisa aqui e ali, uma conferida nos títulos, chamadas e fotos…. Hum, pronto! Água na boca e vontade de ler tudo. A refeição é deliciosa, divertida, colorida, descontraída, não tem como não agradar. Os apressadinhos devoram em uma sentada, os mais lentos vão comendo pelas bordas. E aí, depois da pança cheia, sempre sobra um espacinho para a sobremesa e você volta pra conferir como é mesmo que faz aquela receita ou qual é o nome daquele lugar.

O segredo? Uma mistura muito louca de ingredientes: receitas, dicas, curiosidades, bate-papos, assunto sério, filosofia barata, piadinhas sapecas e por aí vai. A base de tudo isso é a boa e velha comida. Todo tipo de comida: simples, sofisticada, cara, barata, bonita ou feia. Comida de estrada, comida mundo afora, comida de avião, comida pra fazer moral. Gente que trabalha com comida, gente que faz comida, gente que vende comida, gente que só fala de comida. Misture aí no meio receitas, fotos e viagens, com um bom caldo de irreverência, criatividade, bom gosto e uma direção de arte do caramba. Talvez falte só um pouco de modéstia, mesmo. Receita arretada!

Por trás de tudo isso, está Beto Madalosso. Quem conhece o cara sabe que volta e meia saem umas ideias bem malucas de dentro daquela cabeça. Foi em um desses delírios que nasceu a Revista Tutano. A missão não era lá muito fácil: uma revista de gastronomia que não tivesse cara de revista de gastronomia. Não é que deu certo? Em julho de 2012 a revista saiu do forno e agora está aqui neste portal.

Delicie-se, divirta-se. É por conta da casa!