Tendência, quem te pariu?

0
525

Nossa pulga atrás da orelha é imutável. Pergunta mais do que filósofo e criança de quatro anos. Está inconformada, desgostosa. Quer entender como surge o sabor da moda na gastronomia e como ousam dizer qual será o comportamento de quem come e de quem cozinha. Afinal, como surge uma tendência?

Vamos aos fatos

Uma tendência não nasce de uma reunião de criativos. Também não é um puta projeto que vai dar certo. Tendência é um estudo preciso do comportamento humano que direciona estratégias de mercado. 

Cientistas e pesquisadores usam etnografia e netnografia, têm disponível uma quantidade absurda de subsídios gerados por inteligência artificial, estudam a curva da Lei da Difusão da Inovação, criada para analisar a adoção de novas tecnologias, produtos e serviços, e cruzam tudo isso com observações reais. Filho, é ciência pura! Sem chance para suposições, apostas e achismos. 

Carolina Sass de Haro, diretora da Mapie —  consultoria especializada em hotelaria, gastronomia e turismo –, resume o trampo e quem estabelece tendências: “Pra gente entender o que vem por aí, observamos o que os early adopters estão fazendo. São pessoas com perfil inovador que criam novos comportamentos. Quando esses jovens de 18 a 24 anos repetem sinais em múltiplas indústrias, confirmamos uma tendência”, diz. 

Os early adopters (ou primeiros adeptos) fazem parte da galera visionária e influenciadora, que curte experimentar novidades sem medo. Atualmente, quem engrossa essa tribo é a geração Z, também conhecida como centennials. Mas no meio desses jovens também estão pessoas de outras idades que têm um olhar atual e nada nostálgico. 

Carolina compartilha um dado superinteressante: “Há mais membros da geração Z na América Latina, na Ásia e no Oriente Médio do que em países desenvolvidos da América do Norte e da Europa. Baseados nisso, podemos afirmar que, pela primeira vez, as tendências vão nascer nos países em desenvolvimento e isso tem um impacto gigante na gastronomia”. 

Truco

Considere o sabor azedo, novos temperos e elementos étnicos que estão ganhando destaque neste ano. Também reflita que a tendência de consumo menos exagerado, com mais simplicidade e que valoriza a produção local tem tudo a ver com a economia das regiões em desenvolvimento.

Sobre o tempo que uma tendência internacional ganha aderência no Brasil, Carolina explica que na gastronomia pesa a viabilidade de produção por questões estruturais e de ingredientes não regionais. Mas considera que a adoção de uma tendência tem sido cada vez mais rápida. 

“Antes, o Brasil tinha um delay de dois a três anos. Com a globalização, a tecnologia e o fato de que nossos chefs estão muito inseridos no contexto internacional, esse tempo caiu para seis meses e, às vezes, a gente adota a tendência simultaneamente”, completa.

Negadis, esses Centennials 

influenciam nósis!

A geração Z passou a perna nos millennials em quantidade populacional e na tarefa de impactar o consumo. Os nascidos em 2000 já atingem a idade de trendsetters (18 a 24 anos) e têm potencial para virar do avesso conceitos, crenças e modelos mentais.

trendsetters = minoria que experimenta novidades e aponta tendências para a grande massa.

Veja só. Os centennials são o primeiro grupo de humanos 100% digitais. Essas criaturas nasceram com os smartphones enviando dados sobre seus nascimentos (aquela fotinho ou stories nas redes sociais). Eles nem sabem o que é o mundo sem internet. 

É uma geração bombardeada por informações e que se sente mais autossuficiente. São jovens com propósito, questionadores e práticos, que defendem a igualdade de gênero, a diversidade, uma alimentação natural, saudável e cruelty free. 

“Os centennials têm uma relação bem próxima com a gastronomia, mas de um jeito muito diferente das outras gerações. Não importa mais o almoço de domingo, os rituais para comer. Para eles, a gastronomia é muito mais fluída, informal, com programas a qualquer hora, em qualquer lugar. Em vez de servir um almoço para os amigos, vão todos ao parque, cada um com seu grab and go”, explica Carolina de Haro. 

grab and go = conceito “pegue e leve”. Cliente escolhe porções de frutas, saladas, massas e outras comidas na vitrine ou no cardápio, passa no caixa e leva. 

A consultora de tendências também destaca a tech experiência, que é o atendimento personalizado baseado na tecnologia. “O cliente quer viver a experiência real, mas quando chega no restaurante espera que o garçom já saiba sobre suas preferências e restrições alimentares”, completa. 

 

Cacildis! Ficou claris?

Tendência 

É o novo, adotado por poucas pessoas (os trendsetters).
Antecipa o que a grande massa de consumidores vai usar no futuro. 

Moda 

Quando surge, causa um buzz. É febre passageira, diferente da tendência que tem fases.

Mainstream 

A tendência chegou à grande massa de consumidores e se consolidou.

 

Assinale a alternativa correta:

1) Carnes e proteínas cultivadas em laboratório. 

(  ) Tendência  ( ) Moda  ( ) Mainstream

2) Rastreabilidade de alimentos. 

(  ) Tendência   ( ) Moda  ( ) Mainstream

3) Cuidado com a alimentação.

(  ) Tendência   ( ) Moda  ( ) Mainstream

4) Resgate da cozinha de raiz.

(  ) Tendência   ( ) Moda  ( ) Mainstream

5) Serviços de assinatura de vinhos e snacks.

(  ) Tendência     ( ) Moda ( ) Mainstream

6) Paleta mexicana e brigadeiro gourmet.

(  ) Tendência     ( ) Moda ( ) Mainstream

 

Respostas: 1) Tendência; 2) Tendência; 3) Mainstream; 4) Tendência; 5) Mainstream; 6) Mod.

 

Dicas da especialista – Carolina Sass de Haro

  1. Não é verdade que a adoção de tendências garante a permanência, a sustentabilidade e o sucesso do negócio. O empreendedor precisa definir e entender exatamente qual é a sua proposta de valor e quem é o seu cliente. 
  2. Se for um cliente mais inovador, recomendo estar antenado nas tendências e conectado com elas. Mas se for uma proposta consolidada e tradicional, tendências momentâneas importam pouco.
  3. Pratique o olhar curioso. Toda tendência atende a uma necessidade humana. Quando o consumidor vai para um restaurante da moda, quer mostrar que faz parte daquele mundo, quer ter reconhecimento, exibir status. A necessidade fisiológica de comer é o que menos interessa. 
  4. Não descarte uma tendência porque ela não se aplica a você. Sem perceber, pode ser aquilo que mudaria seu negócio.

 

Nem toda tendência serve pra todo mundo, mas a análise de tendência é sabedoria para todos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Enviar comentário
Seu nome